AMANHÃ É SÁBADO

Oléo Sobre Tela

30x40

Ano 2013

 

Não há porteiras, nem barreiras, nesse mundo encantado. Tudo  é claro, simples, natural.

Lá, o longe não é tão longe assim.

“É só um tirim seu moço .Um tiquim de nada .Fica pras banda de lá.  Tá vendo.?  Distrais do morro.!Pois então ! Vou reza pra Santa Rita te curá dessas lonjura”.

E o seu moço, já um velho cansado, agradecia. Punha o chapéu e partia. Cheio de reza, saudade, distância.

Sempre quis voltar. Mas os sapatos doíam. Os medos chegavam e a incerteza punha tranca na porta.

Lá era mais perto do que aqui.

Lá, na verdade, era bem longe.

Mas aqui era mais longe ainda.

Partir era mais fácil que ficar. Fui, mas voltei.

Daqui a pouco vou de novo.Não faz mal.

Assim é a vida, um vai e vem.

Lá, sei de cor os caminhos, até decorei as cores do cimento.

Sei quantas telhas tem um telhado, quantas portas uma casa, quantos degraus uma escada.

Sei quantos passos me trazem de volta.

Agora quero ficar, olhando  meus olhares,

Vendo as roupas  coloridas balançando ao vento.

O cachorro branquelo correndo atrás do dono,

os bois ruminando a tarde, devagarzinho, devagarzinho.

Como se a fome fosse eterna,

 La, do lado de lá, a tarde caia.Mas aqui, do lado de cá, amanhece.